Viajar o mundo e não pagar por hospedagem? Saiba como!

Uma das maiores experiências que podemos ter é a liberdade que a estrada tem a nos oferecer. O que levamos dessa vida são apenas os momentos que a gente viveu, não é mesmo? Imagine então viver o mundo, não se limitar apenas à cultura, língua, sotaques e costumes do seu país ou região. Nosso planeta é incrível e cada pedacinho dele espera para te conhecer.

Jogar conversa fora em um pub em Londres, jantar à luz de velas em Viena ou até mesmo participar de um luau nas areias da Nova Zelândia. Acredite, existem pessoas que largariam tudo para colocar uma mochila nas costas e viver momentos assim, e talvez você seja uma delas também, ou deve estar percebendo isso agora.

Mas saiba que, mesmo quando o principal obstáculo é a grana curta, muitas são as alternativas para que a distância entre esse sonho e a realização fique cada vez mais curta. O post de hoje vai falar sobre uma destas alternativas.

Você sabia que é possível trocar suas habilidades por hospedagem gratuita, alimentação e outros benefícios em dezenas de países? Pois é, existe uma plataforma que conecta milhões de anfitriões e viajantes ao redor do mundo, permitindo que o viajante possa economizar na viagem e ter uma imersão na cultura local.

A Worldpackers (www.worldpackers.com) é uma comunidade internacional que pode te proporcionar experiências incríveis. São centenas de hostels, pousadas, ONGs, comunidades e projetos ecológicos dispostos a oferecer acomodação e alimentação em troca de algumas poucas horas de trabalho por semana.

Você pode viver esta experiência em um hostel no Canadá, como este localizado no centro de Montreal https://www.worldpackers.com/pt-BR/positions/14887, ou se aventurar servindo bons drinks neste hostel situado ao sul da Tailândia: https://www.worldpackers.com/pt-BR/positions/770.

Você deve estar se perguntando: “Mas, e como funciona a plataforma?” Bom, para tornar-se um Worldpacker, você precisa ter entre 18 e 35 anos, estar disposto a realizar o trabalho descrito e ter um bom nível do idioma solicitado na descrição da vaga, que na maior parte dos casos é o inglês.

Os trabalhos disponíveis têm descrições variadas, indo desde vagas para auxiliar na arrumação e administração do hostel, até funções de designer gráfico ou músico.  

Mesmo não sendo ainda uma prática muito conhecida no Brasil, este tipo de parceria entre viajante e anfitrião já é muito comum em muitas partes do mundo. A cada dia mais e mais pessoas se jogam de cabeça nessa aventura e, em muitos casos, passam meses viajando, vivendo algumas semanas em cada local, sem pagar absolutamente nada para se hospedar.

Mas a economia está longe de ser o único benefício aqui. Viver em um hostel fará com que todos os dias você esteja em contato com viajantes vindos dos quatro cantos da Terra. Você pode tomar café da manhã com alemães, sair para um passeio à tarde com alguns hermanos argentinos e à noite sair para uma baladinha com uma galera recém-chegada da Inglaterra. São estas as experiências das quais você vai se lembrar para o resto da vida.

E aí, o que achou? Bora fazer as malas e sair pra viver o que o mundo tem para oferecer?