PESQUISAR

Conheça a diferença entre Halloween e Día de Muertos

Apesar das coincidências nas datas comemorativas, o Halloween e o Día de Muertos possuem algumas diferenças. Mas, quais são elas?

A tradição do Halloween tem mais de 3 mil anos de história. É oficialmente comemorado no dia 31 de outubro e remonta as tradições dos antigos celtas da Irlanda e da Escócia. As festividades têm origem no festival celta de Samhain e era uma homenagem ao "Rei dos mortos".

O Dia das Bruxas que conhecemos hoje tomou forma entre 1500 e 1800, mas era uma tradição ainda bastante europeia. Em 1845, durante o período conhecido na Irlanda como a "Grande Fome", um milhão de pessoas foram forçadas a migrar para os Estados Unidos, levando junto suas histórias e tradições, no auge do cristianismo.

O nome Halloween teve origem em uma das festas cristãs trazidas pelos imigrantes, chamada Dia de Todos os Santos, no inglês “All Hallow’s Eve”, e então carinhosamente chamado de “Halloween”.

Já celebração do Día de Muertos teve sua origem na época pré-hispânica, com os indígenas mexicanos. Uma prática muito comum era a de conservar os crânios como troféus, mostrando-os durante rituais celebrando a morte e o renascimento.

Esta iniciava no dia 31 de outubro e se estendia até o dia 02 de novembro, na qual se confundia com tradições católicas do Dia de Todos os Santos e dos Fiéis Defuntos, pois eram realizados na mesma época.

Os rituais acontecem nesta civilização há pelo menos 3 mil anos. Ainda hoje as festividades são dedicadas aos parentes falecidos e às crianças, com uma celebração muito animada, onde têm como objetivo, nestes dias, receber os espíritos dos mortos com agrados e alegria.

Hoje, festividades similares são realizadas também nos Estados Unidos, onde há uma população consideravelmente grande de mexicanos; na Guatemala, Equador, Honduras, Venezuela, Nicarágua, Costa Rica, Colômbia, e também em países como Camboja e Japão.

 

As principais características de cada festa são:

Atualmente o Halloween é comemorado com a saída de pessoas fantasiadas pelas ruas, que passam nas casas da redondeza pedindo por “doces ou travessuras”, com uma decoração de abóboras iluminadas e muita criatividade. As fantasias remetem a época da Europa Medieval, onde se usavam máscaras para afugentar as bruxas e os maus espíritos.

As abóboras iluminadas tinham um conceito parecido: eram utilizadas para iluminar e afugentar estes espíritos. Já o costume de oferecer doces nas casas provém da cultura celta, de deixar comida para as almas que visitavam a Terra.

Também com um conceito de espíritos, mas neste caso não os maus, no Día de Muertos as almas dos defuntos visitam seus parentes queridos. Por isso, são recebidos com altares em que são dispostos seus alimentos e bebidas favoritos.

No altar, os parentes colocam um retrato do falecido; incensos para limpar a aura dos maus espíritos; velas para iluminar o caminho; água para que as lágrimas se refresquem; sal para que o corpo não se corrompa durante a viagem; o pão de morto que representa o esqueleto; as caveiras de açúcar que trazem o conceito de que não se deve temer a morte e, por fim, as flores de cempasúchil, que representam a força de luz da vida e do Sol.

 

 

 

TAGS RECENTES

carinhosos
Outubro
inglês
tecnologia
cultural
respeito
volta ao mundo
trip
trabalho voluntário
empregos
internacional
hospedagem
idioma
linguagem
Inglaterra
Home
Cultura
Séries
Cinema
Música
Quick Tip
NOSSO BLOG
Conheça a diferença entre Halloween e Día de Muertos

Apesar das coincidências nas datas comemorativas, o Halloween e o Día de Muertos possuem algumas diferenças. Mas, quais são elas?

A tradição do Halloween tem mais de 3 mil anos de história. É oficialmente comemorado no dia 31 de outubro e remonta as tradições dos antigos celtas da Irlanda e da Escócia. As festividades têm origem no festival celta de Samhain e era uma homenagem ao "Rei dos mortos".

O Dia das Bruxas que conhecemos hoje tomou forma entre 1500 e 1800, mas era uma tradição ainda bastante europeia. Em 1845, durante o período conhecido na Irlanda como a "Grande Fome", um milhão de pessoas foram forçadas a migrar para os Estados Unidos, levando junto suas histórias e tradições, no auge do cristianismo.

O nome Halloween teve origem em uma das festas cristãs trazidas pelos imigrantes, chamada Dia de Todos os Santos, no inglês “All Hallow’s Eve”, e então carinhosamente chamado de “Halloween”.

Já celebração do Día de Muertos teve sua origem na época pré-hispânica, com os indígenas mexicanos. Uma prática muito comum era a de conservar os crânios como troféus, mostrando-os durante rituais celebrando a morte e o renascimento.

Esta iniciava no dia 31 de outubro e se estendia até o dia 02 de novembro, na qual se confundia com tradições católicas do Dia de Todos os Santos e dos Fiéis Defuntos, pois eram realizados na mesma época.

Os rituais acontecem nesta civilização há pelo menos 3 mil anos. Ainda hoje as festividades são dedicadas aos parentes falecidos e às crianças, com uma celebração muito animada, onde têm como objetivo, nestes dias, receber os espíritos dos mortos com agrados e alegria.

Hoje, festividades similares são realizadas também nos Estados Unidos, onde há uma população consideravelmente grande de mexicanos; na Guatemala, Equador, Honduras, Venezuela, Nicarágua, Costa Rica, Colômbia, e também em países como Camboja e Japão.

 

As principais características de cada festa são:

Atualmente o Halloween é comemorado com a saída de pessoas fantasiadas pelas ruas, que passam nas casas da redondeza pedindo por “doces ou travessuras”, com uma decoração de abóboras iluminadas e muita criatividade. As fantasias remetem a época da Europa Medieval, onde se usavam máscaras para afugentar as bruxas e os maus espíritos.

As abóboras iluminadas tinham um conceito parecido: eram utilizadas para iluminar e afugentar estes espíritos. Já o costume de oferecer doces nas casas provém da cultura celta, de deixar comida para as almas que visitavam a Terra.

Também com um conceito de espíritos, mas neste caso não os maus, no Día de Muertos as almas dos defuntos visitam seus parentes queridos. Por isso, são recebidos com altares em que são dispostos seus alimentos e bebidas favoritos.

No altar, os parentes colocam um retrato do falecido; incensos para limpar a aura dos maus espíritos; velas para iluminar o caminho; água para que as lágrimas se refresquem; sal para que o corpo não se corrompa durante a viagem; o pão de morto que representa o esqueleto; as caveiras de açúcar que trazem o conceito de que não se deve temer a morte e, por fim, as flores de cempasúchil, que representam a força de luz da vida e do Sol.

 

 

 

VOLTAR PARA HOME